/// . Baobá Voador .
Por la carretera
Categories: Editorial

Existem mil burocracias para se deixar o país: o passaporte tem que estar em dia, checar se o país de destino exige visto, pagar as taxas correpondentes, tomar vacinas como a da febre amarela onde necessário. E para isso toda a sua vida tem que estar em dia, do título de eleitor ao olerite e é claro: a saúde.

Depois vem os primeiros contatos virtuais com o que te aguarda no mundo: sites de viagem, de hospedagem, reservas em albergues, contato com amigxs. E uma das questões mais importantes, o modo de viagem: aéreo, bici, barco, ônibus!

Sites que recomendo: Mochileiros com dicas de viagem de baixo custo http://www.mochileiros.com e Couch Surfing, literalmente Surfista de Sofá site de relacionamento que permite com que você pernoite por algumas noites na casa de uma pessoa cadastrada e com sofá disponível. http://www.couchsurfing.com Por fim as emocionante bicicletadas como On The Road http://www.ontheroad.eu.com percorrendo toda a pan-americana – 25000 kms atravessando 16 fronteiras. As fotos são belíssimas!, Ciclovida http://www.ciclovida.org um projeto de nomadismo e sementes originárias que acaba de estreiar um filme. Compartilhamos com vcs uma bicicletada deste coletivo de 2.300km do Rio Grande do Norte ao Pará, uma prova de é possível desafiar todas as lógicas do sistema e modificar radicalmente o seu cotidiano http://www.flordapalavra.libertar.org/main.php?g2_itemId=148

Não achei um Guia de Viagem bacana pela América Central como o da América do Sul recomendado pelo mano Bruno Zornitta que viajou (de carona) na mesma data que eu mas rumo à América do Sul http://compare.buscape.com.br/guia-criativo-para-o-viajante-independente… Além de tudo o guia está com edição esgotada..

O começo desta peregrinação pelo continente de Abya Yala se deu pela América Central por ser um lugar não somente belíssimo e de uma cultura milenar (como todo o continente americano) quanto pelos movimentos de resistência como o zapatismo no México, a cultura rastafari na Jamaica e o socialismo de Cuba.

Existem duas companhias que fazem o trajeto Brasil – América Central, a Copa e a América Airlines. No entanto para a segunda, por ter uma conexão dos EUA é exigido visto de entrada para esse país 🙁 Um bom sítio para comparar preços de vôos é o http://decolar.com

A entrada no México é uma das mais difíceis por conta de sua proximidade com os EUA. No site do consulado desse país você encontra tudo que precisa saber sobre os documentos exigidos. E é preciso ir pessoalmente ao consulado para obter o visto. http://portal.sre.gob.mx/saopaulo/index.php?option=displaypage&Itemid=51

Para a Jamaica não exige-se visto para brasileir@s!

Para cada país é necessário checar se existe visto porque as leis endurecem cada vez mais rápido depois dos atentados nos EUA em 2001 onde todas as semanas, os legisladores apresentam um novo projeto para a reforma da lei de imigração e a vigilância de fronteiras com nomes incríveis como Lei para a Redução da Imigração a um Total Genuinamente Saudável (a sigla em inglês é RIGHT, que quer dizer “correto” ou “direita”), Lei para a Segurança do Interior da Nossa Nação, Lei para a Implementação da Primeira Reforma da Imigração ou Lei para Garantir a Segurança dos Estados Unidos e a Imigração Ordeira. As leis de imigração revelam as relações de poder localizadas militarmente nas fronteiras.

Por sua proximidade com os EUA o México registra o maior número de mortes devido à imigração “ilegal” na fronteira México-EUA, centenas por ano. Já as prisões chegam a mais de 1 milhão por ano. Movimentos de contestação à tais medidas restritivas e assassinas podem ser encontradas na net como o No Borders http://www.noborder.org , que organiza encontros como o Border Camp desde 1998, blogs sobre o tema imigração e direitos humanos como o This Tuesday http://www.thistuesday.org, e sites de monitoramento como o Immigration Watchdog http://www.immigrationwatchdog.com

Já os cubanos fogem em balsas e casamentos (jineteria) para receber a cidadania plena no outro lado dos 100 kms que os separa dos EUA… Vale ver o filme Balseros para entender o drama de algumas dessas pessoas.

Por fim, uma última forma de viagem é a conhecida e infelizmente cada vez mais antiguada carona, no entanto ainda muito comum entre artesãos e artesãs que atravessam todo o continente de forma autônoma.

Não se esqueça que muitas vezes a própria viagem pode ser o destino mais emocionante :))

Esta foto é d’eu e minha cadela pipa num trajeto de 2.300 km pipa – belém de bicicleta. no sonho de construção de uma caracol zapatista 🙂 as fotos estão aqui http://www.flordapalavra.libertar.org/main.php?g2_itemId=148

mãe terra nos aguarda!@

Leave a Reply